Blog da Jorlan BH

Carro carburado ou injetado: qual a melhor opção?

Uma das peças mais importantes dos veículos é aquela responsável pela injeção de combustível. Compreender o funcionamento desse conjunto é importante porque ele diz respeito à potência do motor em diversas situações, além de determinar o consumo de gasolina ou álcool em carros e motos.

Nos veículos mais antigos, essa peça era chamada de carburador e nos mais novos é dado o nome de injeção eletrônica. Esses conjuntos de componentes possuem características de funcionamento muito particulares, apesar de servirem ao mesmo propósito.

Mas o que é melhor? Ter um veículo carburado ou injetado? Para tirar essa dúvida, acompanhe o post abaixo!

Como funciona o carburador?

O carburador é uma peça que foi utilizada na fabricação de grande parte dos veículos até o ano de 1997.

Graças ao vácuo produzido dentro dos cilindros do motor, a mistura de ar e combustível é feita a partir da injeção de gasolina ou álcool, dependendo do caso, ao trabalhar em conjunto com uma peça do carburador chamada giclê — por onde sai a quantidade de combustível necessária para o devido funcionamento do motor.

Quanto mais o condutor acelera o veículo, mais vácuo é produzido nos cilindros e, consequentemente, mais combustível sai do giclê, que possui uma abertura fixa — ou seja, que não se abre ou fecha mais em função do quanto o veículo é acelerado.

E a injeção eletrônica, como funciona? Nesse caso, a principal substituição de peças é a do giclê que dá lugar a um bico injetor.

O bico injetor, em vez de trabalhar em conjunto com a quantidade de vácuo produzida pelo motor, é controlado por um módulo ligado à central eletrônica do veículo, que determina a quantidade de combustível a ser misturado com o ar de acordo com a necessidade percebida. Ou seja, esses bicos injetores se abrirão somente conforme o motor necessite de mais potência.

Os primeiros veículos equipados com injeção eletrônica possuíam apenas um bico injetor para alimentar todos os cilindros, implicando em um funcionamento não uniforme do motor. Com o passar do tempo, o sistema foi se aperfeiçoando até chegar ao modelo atual, que é o de um bico por cada cilindro.

Qual é o melhor sistema: carburado ou injetado?

Essa resposta é, na verdade, bem simples: o sistema de injeção eletrônica possui muito mais benefícios do que os veículos montados com um carburador em sua composição.

Os carros injetados consomem menos combustível, em função da abertura dos bicos serem “inteligentes” no sentido de fornecer somente a quantidade exata de gasolina ou álcool a ser utilizada.

Essa ausência de desperdício de combustível ainda faz com que o veículo polua menos, servindo como algo que traz vantagens até para quem não dirige. Se o seu veículo foi fabricado antes ou depois de 1997, agora ficou fácil saber se ele é carburado ou injetado e quais são as principais consequências disso.

Caso ainda tenha dúvidas, procure na lataria do carro se existe alguma sigla, como IE, MPI ou MPFI. Isso quer dizer que se trata de um veículo que já possui a injeção eletrônica.

Gostou do post e quer ficar por dentro de outras curiosidades sobre o universo automobilístico? Curta nossa página no Facebook e acompanhe todos os conteúdos que compartilhamos por lá!